Companhias Aéreas de Moçambique e Benin saem da lista negra Europeia

Avião em voo da LAM - Linhas Aéreas de MoçambiqueA Comissão Europeia retirou Moçambique e Benin da sua lista negra de companhias que incluía a sua proibição ou restrições de operação nos aeroportos da UE. Quatro companhias foram entretanto adicionadas à mesma lista, como a Air Zimbabwe, totalizando 181 empresas proibidas, em vez das 193 que constituíam a tabela há seis meses.

Na actualização de 16 de Maio de 2017, a lista de companhias aéreas proibidas na UE, ou seja, a lista de transportadoras aéreas não europeias sujeitas a uma proibição ou restrições operacionais na União Europeia, porque eles não cumprem as normas de segurança internacionais, a Comissão afirma que: “Todas as companhias aéreas certificadas em Benin e Moçambique foram retiradas, dado os novos progressos realizados por estes países em termos de segurança da aviação”.

No entanto, as companhias aéreas Med-View (Nigéria), Mustique Airways (São Vicente e Granadinas), Aviation Company Urga (Ucrânia) e Air Zimbabwe (Zimbábue) foram adicionados à lista negra, visto que foram detectadas deficiências de segurança identificadas pela EASA na sua avaliação dos pedidos de autorização de funcionamento de países terceiros apresentados por essas empresas que não tinham sido cumpridos.

Após esta actualização, 181 companhias aéreas no total são objecto de uma proibição de operação na União Europeia. Seis outras empresas de aviação estão sujeitas a restrições de operação e podem realizar voos para a UE se utilizarem determinados tipos de aeronaves: Afrijet et Nouvelle Air Affaires SN2AG (Gabão), Air Koryo (Coreia do Norte), Air Service Comores (Comores), Iran Air (Irão) e a TAAG Angola Airlines.

Deixe aqui o seu comentário